Pesquisa > Itens de Primeira Necessidade > Corpo Sitiado > A Luta > Questão Equacionada no Corpo > Keep It Real

sexta-feira, novembro 7

Altar do Morto













No Mexico se comemora o dia dos mortos - 2 de novembro - de maneira muito especial, e acho que unica no mundo.
Trata se de uma celebracao coletiva, extremamente importante pra eles e parte de toda familia ou grupo, como uma tradicao extremamente enraizada, trazida para a atualidade de forma contundente.

As preparacoes ja comecam 10 dias antes com a montagem do altar.
De todos os incriveis detalhes dessa festa, me chamou muito a atencao os altares para os mortos de cada um.
Eles sao geralmente construidos em 3 niveis, representando inferno, purgatorio e ceu, a jornada das almas depois da vida.
Ali se coloca comida para o morto, aquilo que ele gostava de comer, suas frutas, paos e sua bebida preferida.
No alto uma fotografia do morto, com algum santo ou apenas uma santeria para atender a todos os mortos da familia.

Arrumados de maneira absolutamente impecaveis, essas misturas de cores fortes, texturas e odores sao instalacoes de um rigor estetico e uma composicao apurada.

A ideia e' que os mortos voltam para comer de noite, no dia 1 apenas os ninos, as criancas mortas, e no dia 2 os mortos adultos. No dia 3 dizem que todos os mortos desgarrados voltam para comer o que sobrou dos altares, mas a tradicao tambem pede que se reparta o que sobrou dos altares entre a familia, os amigos, ou qualquer pessoa que passe, um desconhecido, como gesto de compartir.
Segundo eles a comida perde o sabor, as frutas parecem sem suco, os doces perdem o gosto. Tudo sugado pelos mortos.

O Mexico celebra os mortos, fazem festa com caveiras para desmistificar a propria morte, e acabam fazendo uma festa para a vida, no momento que coletivamente celebram no mais amplo significado da palavra os que ja se foram. A mim me pareceu um ritual aberto, nao dogmatico, e uma pratica de entender a propria morte, busca-la com leveza, agradecimento e uma alegria florida e radiante.

3 comentários:

elielson disse...

poxa. ritual de um jeito não dogmático. massa!!!
um ritual que sobrevive não so pelo ritual mas pelo sentido q ainda tem deve se uma experiencia muito boa. ahh, da vontade de viver.

L.H. disse...

pero me encataaaaaaaaaa...aiiiii,dá vontade de viver demás...
hahahahahaha.

ainda nao apareci pelo blog do nucleo, já correndo, reunião mediação no festival de teatro, divulgar o sensorama..bla bla.

beijos queridissimo vá nos dando noticia daí...

marcelo tira essa confirmação pra comentar aqui que troço chato.

Anônimo disse...

nao consigo tirar lay, tenho que pedir pra luana.
beijos, boas vindas!